Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Uma mulher com sorte.

"Não subestimes as capacidades de um Destino irónico..."

Uma mulher com sorte.

"Não subestimes as capacidades de um Destino irónico..."

Rachael Farrokh, 19 kg de peso e 10 anos de angustia

por Inês, em 22.05.15

ht_anorexia_01_lb_150514_16x9_992.jpg

 

 

Olhar para esta imagem causa em mim algo tão forte, que se torna impossível encontrar a melhor palavra para descrevê-la. E eu queria dizer tanto sobre ela.

Mas não consigo.

Sinto demais, sinto-a demais.

Ilusão, frustração, desespero . E amor.

Até onde pode levar a ânsia de uma perfeição inalcançável?

A impossibilidade de atingi-la. A angústia de compreender isso e, mesmo assim, não conseguir parar de a desejar.

E amor, de um homem, por uma mulher que deixou, há muito, de saber o que é amar alguém.

A necessidade de uma campanha para obter recursos suficientes para tratar-se é, no mínimo, triste.

Um único hospital especializado nos Estados Unidos?  Recusam  aceitá-la como paciente porque  não cumpre a exigência mínima de peso ou estão sem conhecimentos e meios que possam salvá-la?

“Quem não tem condições de ajudar financeiramente, por favor, nos mantenha em suas orações.” São palavras dela.

E eu não vou rezar. Mas não imaginas o quanto espero pela notícia da tua conquista.

Pedir ajuda é um grande passo, o primeiro, de uma luta interminável.

Não desistas. Se eu rezasse pedia isto.

 

Uma mulher com sorte

 

 

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    De Inês a 22.05.2015 às 23:53

    E vai continuar a prolongar-se enquanto vivermos numa sociedade que nos transmite a ideia da "perfeição alcançável". É incrível, parece que sabemos e acabamos, todos, a acreditar que o nosso valor se traduz numa imagem de um espelho.
    O ser humano tem força, mas vários seres humanos detêm um poder ainda maior. E uma sociedade é isso mesmo, o conjunto, e, por isso, é quase impossível vencê-la.
  • Imagem de perfil

    De A Vertigem a 23.05.2015 às 00:15

    Daí o salto, para as plásticas radicais, e que só chegam a quem delas pode usufruir. Daí, mesmo podendo, muitas correm tão mal.
    Não me lembro, de conhecer alguém Anoréctico, e sim pessoas excessivamente magras. No entanto, vi alguns documentarios e reportagens. A questão éque cada um é movido ssempre por uma causa que é diferente do outro, mas tem a mesma, doença: anorexia.

    Tens toda a razão no que escreves, o colectivo de uma sociedade é muito difícil de quebrar... E quando alguém, tem ferramentas para o fazer, é levado à guilhotina.

    Um beijo.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D

    Favoritos